Dom Bell.

Dom Bell I copy

Desde a primeira vez que estive com o cara, e lá se vão 34 anos – foi nos preparativos do Carnaval de 1980 – a imagem daquele barbudo magrelo não deixou dúvidas de que nada do que fazia era à toa. Numa manhã, com tinta dos pés à cabeça, dava os últimos retoques na pintura do trio elétrico do Bloco Traz-os-Montes, quando ele apareceu e se apresentou como integrante da Banda que iria tocar para o bloco. Em seguida me perguntou se dava para pintar, em algum lugar daquele trio, o nome dos integrantes do grupo.  Disse que sim e, prontamente, comecei a pintar nome por nome citado por ele: “Aderson, Gato, Rey, Wadinho…” e quando citou o dele, eu tasquei um “Béu”. Ele corrigiu na hora: “é com ‘L’ no final”. Passei o solvente e troquei as letras. Ele parou um instante, virou a cabeça de lado, como faz até hoje quando está idealizando, e disse: “ponha mais um ‘L’ ai no final. E pela primeira vez, tava lá, num trio, o nome “Bell”.  Até hoje tenho essa dúvida se ele decidiu por essa grafia naquela hora ou já se escrevia seu apelido assim. Mas naquele episódio ficou claro uma marca indelével dele: nada em sua carreira é por acaso, é tudo pensado estrategicamente.

Quando a Banda Scorpius saiu do Traz-os-Montes e partiu para construir seu próprio trio, agora já como Chiclete com Banana, Bell me convidou para decorá-lo. Ouvi de alguém que tomasse cuidado com a questão comercial, mas no primeiro dia de trabalho, quando acabei de estacionar minha TT 125cc ao lado do trio, ele apareceu e me passou um maço de dinheiro, pagando o acertado de uma só vez e antecipado. Indaguei se ele não queria ver primeiro o resultado e ele disse que não precisava, tinha certeza sairia legal. Surpreso, porque ninguém havia me pago antecipadamente por um serviço, comprei o leite do filhote recém nascido e fiz esse mesmo trabalho, decorar seu trio, pelos 10 anos seguintes.

Tive o privilégio de estar bem perto naquele início quando Bell era quase um cover de Moraes Moreira, como ele mesmo assumiu publicamente. Vi depois a banda seguir a trilha do “galope” – já com Missinho em lugar de Aderson, que foi o guitarra baiana do primeiro ano – e eu, particularmente, não curtia muito aquele ritmo acelerado. Sempre fui lerdo. Preferia o ijexá de Luiz Caldas, mais suingado e mais contemporâneo. Percebo que nesse período, por volta do final dos anos 1980, o Chiclete viveu um certo ostracismo, principalmente por conta de suas apresentações passarem a ser associadas a truculência de uns poucos e fanáticos seguidores. Nesse momento, a banda estava na contra mão do que acontecia nos principais eventos de Salvador: as festas que dariam origem a tal axé music.

Quando, por fim, o samba-regue entrou na banda, acho que com o hit “Eu Sou Camaleão, Sou Seu Amor…”, o Chiclete passou a acessar  outros públicos. Sua ida para o bloco “Qual é?”, alternativo no recém criado Circuito da Barra, também foi um sucesso que acelerou esse processo. Depois veio o bloco Nana Banana, que junto com o Camaleão, acabaram por consagrar a banda por mais duas décadas.

Já se passavam muitos carnavais que eu não curtia os dias de quinta, sexta e sábado por conta do exaustivo trabalho de decoração dos trios, quando naquele sábado de 1997, já livre do tranco, resolvi dar uma caminhada por uma Barra ainda muito tranqüila; sai de Ondina até a Barra sem ver um pé de bloco, trio ou qualquer coisa do gênero. De repente uma voz aparece do nada e, de forma quase mágica, vi todas aquelas pessoas se transformarem. O trio ainda nem aparecera, estava por trás do Edifício Oceania, mas as luzes já refletiam no antigo Farol a sinalizar a metamorfose. Em seguida a voz entoou, ainda sem o instrumental, “menina vem me dar seu amor…”. Daí pra frente foi uma apoteose. Eu, com todas as minhas restrições ao estilo galopeiro da banda, me rendi ao que ouvi e ao que vi. Fui pra casa e pintei um quadro – nunca pinto quadros e nem sei por onde anda esse – em homenagem ao que imaginei ser a reencarnação de Baco: o estrategista tinha virado o Deus da Folia.

Anos depois, numa premiação do carnaval, o Troféu Dodô & Osmar, promovido pelo Jornal A Tarde, vi uma multidão vaiar Bell durante sua premiação, enquanto ovacionavam Ivete. Pensei como podia alguém despertar tanta raiva, se ainda era seguido por multidões durante os carnavais. Meu sentimento era que havia virado politicamente correto criticá-lo: o Bell estrategista, está longe de ser um bom marqueteiro. Resolvi, então, fazer uma pesquisa Aqui no meu blog para avaliar melhor o que acontecia, e fiz a seguinte enquete: “Qual a Melhor Banda ou Artista da História da Axé Music?”. Levando-se em consideração que meu blog não é representativo  (temos pouco mais de 300 mil visualizações desde que o criei em maio de 2010) e que não tenho competência como pesquisador, nesses 3 anos que a enquete ficou disponível para votação, e ainda está, até o momento que escrevo esse post, recebeu exatos 1.392 votos.  O resultado foi  Chiclete em primeiro com 28,52% dos votos, seguidos de Ivete com 14,3, Asa com 12,64, Daniela com 11,57, Cheiro / Márcia Freire com 6,68, Claudia Leitte com 5,78, depois Luiz Caldas, Netinho, Banda Mel…  O resultado fala por si, e pode ser conferido na própria enquete, após efetuado um voto.

A partir de amanhã, Bell, o cara dos dois “eles”, enfrentará novos desafios. Há muito tempo não convivo mais próximo para avaliar se foi estratégica ou não, sua decisão de fazer carreira solo. Mas, certamente, já idealizou tudo, assim como há 34 anos.

À despeito dos que o amam ou odeiam, ninguém pode ignorar um sucesso tão longo; seja em qualquer circunstância ou em qualquer lugar do mundo. Há algo de especial, sim.

Desde a primeira vez que o vi, o achei parecido com aquela pintura clássica de Dom Pedro I. Por conta disso, fiz essa brincadeira acima. Vaidoso como ele é, talvez me xingue. Mas não tem como eu ignorar esse cara que começou junto comigo, num mesmo bloco e num mesmo carnaval. O sucesso dele, naquele já distante 1980, resultou na minha história. Sucesso, Dom Bell.

Dom Bell à rigor copy

9 Respostas para “Dom Bell.

  1. Parabéns amigo, pura verdade muitos precisam conhecer a história

  2. Dhida Barreto

    Pedrinho da Rocha, a história viva do carnaval, contada por um ângulo único e especial. Sua visão abraça os momentos artísticos e empresariais. Faz parte de cada inicio de todos os momentos carnavalescos. Bell tinha que passar por Pedrinho, senão não faria parte da história.

  3. Risos (muitos risos, gargalhadas gostosas) e transe, por alguns minutos. Quando eu falo do sr para outras pessoas, alguns me consideram exagerado. Mas não sou. Me considero até comedido. Justamente por não ter tantas referências, para as quais possa direcionar certa idolatria. Mas devo reconhecer seu talento. Não que meu reconhecimento tenha algum valor. Agora, conhecer e ter vivenciado tantos momentos impares desse movimento Axé, é no mínimo, de uma riqueza sem poder mensurá-la. E como é rico ter memória. Me orgulho de conhecê-lo por essas vias tecnológicas e poder dizer: conheço é vivencio, mesmo noutra época, de causos e histórias tão gratificantes. Grato. Muito grato, sr. Pedro!

  4. Cristina Lacerda

    Muito Bom Pedrinho, adorei !!

  5. Pedrinho, como sempre uma visão diferenciada das coisas. belo texto

  6. Bruno 100% Asa

    Excelente texto Pedrinho, maravilhoso, como tudo no seu blog. Sucesso!

  7. Ainda tenho MUITA FÉ que vou ver novamente (e para numa mais se separarem): Bell, Rey, Wadinho, Valtinho… juntos na banda: Chiclete com Banana! Acredito que ainda terei esse sonho de sair no Camaleão na avenida com eles todos na banda e conhece-los pessoalmente!

  8. Tal como o Alexandre, tenho muita fé, também.. mas tava procurando um post ou matéria sobre o Pinel naquele abadá de jogador de beisobol (azul,vermelho e branco), foi vc quem fez? Queria saber o ano.. Pois bem aí vejo esse post sobre Bell Marques e não vou mentir que tive que sair e voltar pra não chorar.. faltou uma coisa… ele nos reconhece um por um e tem o poder de congelar momentos

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s