Arquivo da categoria: Trio Elétrico

Criado na Bahia, pela dupla Dodô e Osmar, para se divertirem no carnaval de 1950, o Trio Elétrico é uma invenção revolucionária que evoluiu e ganhou novas funções, tornando-se hoje, principal instrumento de divulgação da chamada axé music.

Encontros de Trios – muito mais que 30 anos.

Encontro de Trios - Moraes

Os encontros de Trios existem há muitos anos, desde os anos 1970. Mas não havia o cantor, eram só os intrumentos de corda. Moraes Moreira trouxe a voz para o trio. Mas só à partir de 1980, quando o trio ganhou qualidade de sonorização, com os amplificadores transistorizados do Trio Traz-os-Montes e também os Novos Baianos, é que esses encontros passaram a despertar mais a atenção do público.

O Trio do Traz-os- Montes, o de Armandinho Dodô & Osmar, o Tapajós, os Novo Baianos e mais tarde o Eva, Camaleão, Novos Bárbaros, Pinel, Beijo…  duelavam com seus cavaleiros armados com guitarras baianas. O público apreciava mais o guitarrista do que o cantor.

Pepeu Gomes, Aderson que era da Banda Scorpius e foi pro Eva, Missinho que entrou no lugar de Aderson na Banda Scorpius que virou Chiclete. Até Robertinho do Recife tocou por aqui. Mas ninguém se igualava ao maior dos mestres. O infalível, que nunca errava uma nota: o mestre Armando Macedo.

O carnaval no Clubinho e os artistas mirins..

Olhe o detalhe da cabine...

Olhe o detalhe da cabine…

Desfile de artistas...

Desfile de artistas…

Metaleiro...

Metaleiro…

para todos os gostos...

para todos os gostos…

Olha a fila...

Olha a fila…

Cultura é aquilo que a gente faz.  Partindo dessa premissa, me surpreendi mais uma vez com a criatividade da criançada – e de seus papais e mamães inspiradores – durante a Semana de Arte da escola Clubinho das Letras. Dentre os vários temas da Mostra, existe um espaço sobre o carnaval, e foi, justamente nele, que fiz as fotos à seguir. É impressionante como nossas vivências ficam impressas como digitais afetivas por toda nossa vida e, por fim, as tranferimos para outras gerações que farão suas próprias leituras. Isso, queira-se ou não,  é cultura.

Parabéns aos alunos, esses pequeninos artistas, aos pais (muitos, ex-foliões), às professoras, e ao Clubinho, por esse evento especial.

Só lamento não ter como dar os créditos das criações, mas, os pais que se dispuserem, podem ciatr os autores nos comentários.

Tropicalista...

Tropicalista…

Trio Purpurina

Pink total...

Pink total…

CarnaBahia, uma pintura daquele carnaval de 1981.

Trio Traz os Montes - fundo - baixa

Em 1981, o Carnaval de Salvador estava em plena everfescência: talentos surgiam naquele cenário musical proporcionado pelas novas tecnologias que permitiam o canto pleno num Trio Elétrico.  Lui Muritiba, Banda Scorpius –  com Bell, Aderson, Gato… e que depois virou Chiclete com Banana –  Gerônimo, Sarajane e tantos outros novatos se misturavam nas ruas com os já consagrados Morais Moreira, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Novos Baianos com Pepeu, Baby e Paulinho Boca de Cantor, além, é claro, da família Macedo com o paizão de todos, Seu Osmar, e o impagável Armandinho e sua guitarra baiana.

Foi inspirado nesse inesquecível carnaval que fiz a pintura dessa foto na trazeira do Trio Elétrico do Traz-os-Montes, bloco pioneiro e revolucionário em toda essa história do recente carnaval baiano. Pintado com tinta esmalte sobre a chapa de metal do trio, era minha homenagem àquele momento mágico dessa terra em que nasci – aos artistas e aos blocos.

No mês que antecedia a folia, costumava ficar imerso por dias no galpão do bloco, lá no bairro do IAPI. Sujo de tinta até à medula, era um misto de decorador, carregador de caixa de som e “opinólogo geral”. Aliás, todos nós – técnicos de som, chapistas, diretores do bloco, eletricistas, motorista, músicos –  fazíamos de tudo. Pra dar um molho nessa festa, ao lado do galpão, tinha o nosso querido Satuba, que preparava uma moqueca de arráia especial acompanhada de uma batida de limão tipicamente baiana: com mel.

Valeu à pena.

Maquete do Trio do Papa / Claudia Leitte.

MAquete Trio Babado Novo 2005

Há uns dez anos fiz essa experiência de apresentar a maquete de um trio elétrico, na escala 1:60, junto a um projeto de captação de patrocínio. A ideia era reaproveitar a mesma maquete, trocando apenas as marcas, para reapresentá-la a outros potenciais patrocinadores. Mas na prática, a ideia foi um fiasco porque a maquete não retornou nem da primeira apresentação.

Valeu a experiência e aventura de construir essa miniatura.

Camarote do Nana, uma Paixão.

Nova marca para o Camarote do Nana

Nova programação visual do Camarote do Nana é uma simbiose da sua tradicional marca, a”bananeira”, com um coração, simbolo da paixão dos foliões pelo camarote que tem o carnaval nas veias.

O Camarote do Nana reúne glamour e sofisticação, mas sem perder o toque baiano e a essência do carnaval. All inclusive, tem as melhores opções de gastronomia, com restaurantes de comida japonesa, churrascaria e pizzaria, além de um serviço inigualável de bebidas. A Pracinha do Camarote do Nana, na área central, é um show à parte: um verdadeiro carnaval com muita festa e animação. Outra opção é o acesso á praia com shows e boate. Vale à pena.

Um Curto Circuito.

Curto Circuito Carnaval de Trio Elétrico

Há uns 8 anos fiz esse estudo para um “mini circuito” a ser construído numa área distante de grandes centros. Inspirada no Carnaval de Salvador, a ideia tentava recriar alguns ambientes icônicos da festa baiana e sugerir outros que, além de servirem de “ponto” para as diversas tribos da folia, também prestassem uma justa homenagem a lugares, a exemplo de Itapuã, movimentos como a Tropicália e a personagens como a dupla Dodô & Osmar.

Um Dragão na Folia.

Trio Asa 2013 - Cabeça de Drgão - Fotos Rua
Sempre gostei da alegoria no Carnaval e, esse ano, contei com o apoio de Durval Lelys e Marcelo Brasileiro, além de toda a equipe de trabalho – escultor, fibreiro, pintor e plotador –  para produzir essa “brincadeirinha” no Trio Dragão da Folia, palco da Banda Asa de Águia na festa em Salvador.

Foram duas semanas para esculpir, preparar o molde, pintar e adaptar ao “cavalinho” do trio. Mas o melhor resultado foi fazer a alegria de quem curtiu. Abaixo, passo a passo do processo criativo à produção.

Trio Asa 2013 - Cabeça de Drgão - make in off